Avózinha (Sim, com acento...)

Junho 21 2009

Alguns minutos do vosso tempo é apenas o que vos peço para darem uma olhada no vídeo associado ao link que encontram a seguir:

 

http://www.cultureunplugged.com/play/1081/Chicken-a-la-Carte

 

A mim partiu-se-me o coração, se os homens não choram desta vez tive de abrir uma excepção. Choro de tristeza, de vergonha e sei lá, choro porque não sei o que fazer, porque me dói a alma e o coração, porque me sinto uma merda, um incapaz de fazer o que quer que seja para contrariar o que os meus olhos vêm, choro porque também sou culpado, como se as lágrimas levassem a culpa na enxurrada.

 

Alguém me ajuda? Não quero conforto, quero respostas para esta brutalidade de mundo em que vivemos. O que posso fazer? Eu quero fazer alguma coisa, morre-se de fome ou guerra assim sem mais nem menos, ou sobrevive-se com os restos dos outros, eu sei que esta realidade não é nova mas isso não faz com que tenha de ser aceite ou ignorada, não posso desviar o olhar e fingir que não é comigo, nem quero.

 

É claro que sempre existiu desolação um pouco (ou muito) por todo o lado, sem discriminar continentes, mas não é suposto a humanidade ter evoluído(?), foi o que me disseram. Afinal não evoluímos nada, continuamos na mesma ou pior, continuamos a idolatrar uns e a desprezar outros, os seres humanos não valem todos o mesmo, uns falecem e outros são estatística nos índices de pobreza e fome.

 

Mesmo que não façamos nada, não era bom se nos deixássemos de hipocrisias, de enganarmos e atraiçoarmos o próximo, pormos de vez  em primeiro lugar o culto do ser humano, trabalhando todos os dias para sermos pessoas melhores, em cada acção (já fazíamos alguma coisa). Cada um que arranje uma boa desculpa, um deus, uma religião, um símbolo, uma filosofia, qualquer coisa mas façamos.

 

Estamos todos reféns é verdade, do banco, das taxas de juro, dos seguros, dos aumentos, do petróleo, etc, mas isso não é desculpa para não termos uma atitude mais responsável e humana. Não precisamos de viver em função do ter, mas do ser, do ser humano, ser verdadeiro, ser leal, ser solidário quando for preciso, ser(mos) melhores sem, no mínimo, dificultar a vida a ninguém.

 

Podemos ensinar os nossos putos a valorizarem mais o que é essencial e a serem melhores que nós, não deixando que o mundo padeça desta maneira. Às vezes fico com a sensação de que a única salvação do planeta é a humanidade desaparecer (como os dinossauros) é duro, mas é verdade.

 

Inté

publicado por Avózinha às 23:41

pesquisar
 
Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

«Alguém me ajuda?»

mais sobre mim
blogs SAPO