Avózinha (Sim, com acento...)

Dezembro 02 2008

Parece que existe uma facção de leitores do Avózinha que anda ansiosa por lêr aqui neste espaço umas palavritas sobre professores e avaliações, ministra da educação, blá blá blá. Ora se não me chamassem a atenção para tal assunto eu até passava ao lado, pois ainda não tinha dado por isso que havia problemas, isto porque não se tem escrito nada sobre o assunto nem passado reportagens nos serviços notíciosos. Após árdua pesquisa lá encontrei umas coisitas sobre a matéria, e confesso que escrever sobre tal é tão perigoso como fazer caricaturas envolvendo o islão. Ponho grades na janela, contrato segurança privada, perco amor á vida e aí vou eu...

 

Há um facto que me perturba imenso, eu sou bruto, estúpido e pouco culto mas esta gente tem estudos (mesmo que o canudo seja falso também conta), seja do lado do governo seja do lado dos professores. Não era suposto este facto facilitar o entendimento entre ambos os lados de forma a gerar consenso!? Isto prova que grau de escolaridade nao é tudo, por isso ainda tenho salvação.

 

Esta contenda faz lembrar as dicussões na Assembleia da República onde deveriam trabalhar todos para o mesmo (e são pagos para isso) mas não é isso que se vê, e a semelhança ainda é maior quando se pensa em quem fica a perder com isto tudo...sempre o Zé Povinho, neste caso são os alunos pois claro. Desde que saí da escola tanta coisa mudou, algumas até me deixam boquiaberto, diz-se á boca cheia que agora é impossível chumbar, o que me faz pensar se não estive na escola na altura errada, mas reflectindo melhor  fico é com a sensação que em boa hora me safei.

 

Sempre julguei que sendo professores esta malta seria muito mais criatiiva, digamos que, aquelas manifs de cartazes em punho que parecem ter sido inspirados no concurso «Não sei mais que um miúdo de dez anos» ou a entoar cantiguinhas com letras adaptadas á causa, assim não chegam a lado nenhum. Têm de se esforçar mais senão está tudo chumbado.
Eu enveredaria por um caminho mais irreverente e adulto, tipo agarrarem naqueles milhares de gente e no Estádio Nacional em vez da bandeira humana fazerem um toma humano, porque gente a desfilar na rua com bandeirolas é corriqueiro e já “ninguém” liga.
Barricarem-se numa escola e sequestrarem uns quantos putos, ou então uma selecção das melhores professoras fazerem um protesto com a roupinha com que vieram ao mundo seria mais eficaz. Quem sabe um cartaz a dizer «Maria dá-me o teu lugar já» e por favor nesses eventos não façam caras de professores, dispam o fato de trabalho por uma vez na vida porque a malta cresceu a desrespeitar os profs e quando vê um não o leva a sério.

 

A questão é tão complexa para mim que, e a título de exemplo, se por acaso presencio uma discussão deste assunto entre professores, o meu pequeno e desgastado cérebro desliga como modo de se auto-defender. Do que consigo ouvir da discussão parece-me indecífrável, não entendo patavina do que estão a falar. Muito sinceramente gostava de ver o governo a governar, os professores a leccionar e a defender o ensino e nunca e só a batalhar pelas suas carreiras. Na verdade tenho muito a agradecer aos professores e pouco ou nada aos ministros, mas uma coisa eu vos garanto, tantos a uns como a outros punha-os de castigo virados para a parede e sem direito a recreio...e a vossa sorte é já não se poder usar a régua (eu ainda levei).


(Se tiverem um tempinho leiam isto, se forem professores, antes, coloquem um comprimidinho debaixo da língua.

A este artigo de opinião sucedeu-se um outro em jeito de resposta que transcrevo um pedaço para aguçar a curiosidade:
«...constatar que muitos professores não são só preguiçosos, mas também gente muito ordinária e mal-educada. A dificuldade em perceber a diferença entre um artigo de opinião e uma notícia – a maioria trata-me por "jornalista" – a dificuldade em construir uma simples frase com sentido, o recurso sistemático ao insulto e à ameaça, denotam uma classe muito infiltrada por arruaceiros quando se esperava que a vasta maioria fosse dominada por princípios de discernimento, apego à liberdade de expressão e convicção democrática.»
O artigo completo aqui)


O Avózinha tem andado atento, não parece, mas...

 

Inté

 

publicado por Avózinha às 22:23

Foste muito cauteloso nos comentários, mediste muito as palavras o que leva a crer que não queres perder o queijinho nem o crasto...

Em vez de escreveres remetes os leitores para esse mimo de artigo, poderia remeter-te para dezenas de outros...

Na verdade, salvaguardando os profs pouco profissionais que os há como em qualquer profissão, a maioria está a passar por uma fase muito dificil que só é compreendida por professores ou pelas respectivas familias. As outras pessoas não entendem, não querem entender ou preferem ignorar. (Avaliação? Mas eu sempre fui avaliado no meu emprego!" É o que todos dizem)

Amanha será outro dia histórico para este governo. Espera-se que muitas escolas estejam fechadas. Tenho consciência que os alunos estão a ser prejudicados por ficarem um dia sem aulas. Mas também o são quando os seus professores estão na escola das oito e trinta às vinte e trinta (e mais ) e têm de entrar no outro dia às oito e trinta da manha enfrentando cerca de 25 ou mais alunos que esperam toda a energia e dinamismo e atenção que uma aula requer. E esta é a realidade que está a acontecer nas escolas na actualidade.

Conceição a 2 de Dezembro de 2008 às 23:24

Ai,ai.......O QUE TU QUERES SEI EU!!!!!!!!!!!!
A propósito...sempre que quiseres uma explicação sobre os meandros e os malandros da educação,eu disponibilizo o meu conhecimento! Dos meandros já sabia alguma coisa...estes ultimos 20 anos deram-me algum "talento"...Dos malandros passei a perceber com esta ministra e os 2 "auxiliares" Lemos e Pedreira (que parece nome de agencia funerária!)........e assim trataram de enterrar o ensino em Portugal!...
Os professores não estão a defender as carreiras mas sim o ENSINO...que,como tão bem referes,nos obriga a passar alunos que nada sabem porque a estatistica assim obriga.......Ora,como disse Veiga Simão,a estatistica é uma coisa estranha que considera que um homem terá temperatura média se tiver a cabeça na lareira e os pés no congelador!...É mais ou menos o que se está a passar!!!!!!!!
Já agora,uma sugestão:
porque razão a srª ministra,que até é SOCIÓLOGA,não consegue gerir este conflito?...Eu avanço uma idéia:
considero-a "fraquinha" como ser humano...tão fraquinha,que é incapaz de reconhecer que está errada!!!!!! Ora,nós até sabemos...que "errare humanum est"...e ela nem isso sabe!
Amigo...o almoço com a equipa feminina da Serra das Minas está de pé...:)))))))) de pé é brincadeirinha!looooooooooooool
IndianGirl,
Ich bin India!
Beijocas!
Indiavera a 4 de Dezembro de 2008 às 01:03

pesquisar
 
Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

19

21
25
27

28
31


mais sobre mim
blogs SAPO