Avózinha (Sim, com acento...)

Fevereiro 23 2010

Por vezes tenho a sensação que estou no sítio certo à hora errada, ou na hora certa mas no sítio errado, se não for nenhuma destas duas hipóteses, será com certeza porque estarei simplesmente errado/baralhado. No fundo não será difícil sentirmos que qualquer uma destas situações nos sirva como uma luva, ou não faríamos parte de uma civilização pouco civilizada, ou civilizada mas pouco. Não creio que estes inícios vos surpreendam, de facto já devem estar habituados a que o que eu digo seja pouco mais do que qualquer coisa sem nexo.

 

A melhor forma de começar a falar de algo com pouco sentido é assim mesmo, dando o mote como acabei de fazer, desta forma posso começar a explicar o que me trouxe aqui hoje. Se decides casar com alguém que nunca viste a não ser em fotografia, o que és? Não respondam parvo(a) porque está errado, a resposta certa é...«Árabe enganado pela família da noiva». Um embaixador Árabe só deu pelo engano quando ia beijar a noiva e ao retirar o véu percebeu que a sua cara metade era vesga e tinha barba, nas duas metades.

 

Não sei qual das características o fez desistir, a barba, ser vesga, ou se sentir enganado por a família da noiva lhe ter enviado fotos de outra mulher para assim o convencer a casar. Eu teria ficado fulo comigo mesmo por ter aceitado casar com alguém por catálogo e é por estas e por outras que não compro certas coisas pela net, é que o artigo pode muito bem parecer fantástico no site mas quando chega a casa e vou abrir a encomenda...

 

Bem sei que neste caso as razões culturais/religiosas se sobrepõem mas, estou muito desiludido com esta gente, uns mentem e aldrabam vendendo gato por lebre, o Sr. embaixador só quer saber da aparência, então e o amor fica onde (?) e a honestidade (?). Como terá ficado a rapariga ao ser rejeitada desta maneira, ela que se calhar por ser vesga nunca conseguiu perceber a sua situação e provavelmente a família também a enganou mostrando-lhe fotos de outra mulher.

 

Realmente o velho ditado «o hábito não faz o monge» encaixa que nem uma luva nesta situação, é tudo uma questão de hábito e o Sr. Embaixador achou que não se iria habituar a ter a seu lado uma mulher de barba rija e de «vista grossa». Situações deste tipo, reforçam a minha convicção de que a união entre duas pessoas, além de não ter de ser casamento, deve-se basear em valores mais altos...de preferência sem barba e outros afins.

 

Inté

publicado por Avózinha às 23:28

pesquisar
 
Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12
13

14
16
19
20

21
22
26
27



mais sobre mim
blogs SAPO