Avózinha (Sim, com acento...)

Maio 20 2009

Como é que se escreve sobre uma das “coisas” mais fabulosas da vida, sim, como farei eu isso sendo um banal ser humano sem nada de especial. Hoje apetece-me falar de algo que me maravilha, mas por outro lado só posso estar meio louco, ou não fosse eu insuficiente para dizer o que quer que fosse sobre o nascimento de uma criança, o momento mais feliz da nossa vida...creio eu.

 

Quando nascemos, experimentamos o momento mais perfeito da nossa existência, o mais feliz, nunca mais estaremos tão próximos da felicidade e jamais desfrutaremos de tanto em tão pouco tempo. Não tenho dúvida que nunca fui tão feliz como no minuto em que vim ao mundo, num fôlego determinado, num inspirar apenas, todos elementos da vida nos invadem e nos alimentam a carne e o espírito.

 

Se conseguisse lembrar esse momento tenho a certeza que o faria com um sorriso e com o meu coração a pulsar de forma enérgica, numa batida determinada e forte como se este estivesse a celebrar. Sem dúvida alguma “o milagre da vida” será o epíteto mais apropriado para dar nome à nossa chegada ao mundo dos mortais.

 

Não haverá aqui tempo nem espaço (nem vontade) para dedicar ao que se segue, até porque logo a seguir a nascermos, choramos. Não, o momento agora é de felicidade e nada o poderá arruinar, acabámos de nascer e estamos no auge do nosso reinado, somos delicados e sem mácula, podíamos ensinar tanta coisa mas o tempo é escasso, não espera e ninguém nos entende.

 

Que instinto, que beleza, que fantástica celebração de vida é um recém nascido, procurando apenas um refúgio, um lugar a salvo onde se sinta protegido, um regaço num abraço. A essência da nossa energia em toda a sua plenitude ali está, para desfrutar rápido pois o momento é breve e de pronto se começará a esfumar, outra demanda começa e iremos aprender a ser outra coisa.

 

Estes meus pensamentos estão incompletos e carecem de prova científica, o facto deve-se sobretudo a nunca ter (ainda) sido pai, talvez aí o momento de felicidade se repita, talvez nos consigamos sentir novamente perfeitos como outrora. É possível que olhemos para o nosso “novo milagre da vida” e nos sintamos renascidos, olhar para o pequeno rosto e rever a nossa perfeição à muito perdida ou esquecida.

 

Obrigado Mãe!

 

Inté

publicado por Avózinha às 23:46

Bem, estas palavras estão lindas!
Rectifico, só um bocadinho, não querendo de maneira nenhuma, estragar o momento: infelizmente, nem todas as crianças podem considerar esse um momento feliz ...Começam logo aí a sofrer....

Mas, por outro lado, esse milagre e essa alegria e emoção que sentimos perante um serzinho que é nosso, que tem os nossos genes, também se repete em cada criança que nasce e que é filha do nosso primo, do nosso irmão, do nosso amigo ou, como eu senti há pouco tempo, por um bébé que me há-de chamar avó sem ter qualquer grau de parentesco comigo.
É realmente um milagre e uma alegria!
Cada criança simboliza a esperança num mundo melhor, sempre!!!!!!!!!!
mc a 21 de Maio de 2009 às 21:20

Começam logo a sofrer...mas antes, nascem.
Avózinha a 27 de Maio de 2009 às 23:18

Mas este texto está lindo!
Belas palavras para o dia da mãe, para o dia da criança, para todos os dias!

Eu, que tive a sorte de ser mãe, contrariando a natureza que não me dotou com um útero normal, entendi tudo. Foi emocionante lembrar isso. Eu assisti, sem dúvida, a um milagre!
Conceição a 21 de Maio de 2009 às 21:27

Bolas...ou melhor, aqui que ninguém me lê.. porra ...
Fantástico; impõem-se um obrigado...Avó:)

P.S....Já agora como conseguistes ser Avó, sem ser mãe????
Maria Laura Pereira a 27 de Maio de 2009 às 11:42

Bolas...ou melhor.. porra ...não sei como consegui...sou Avó.

...imagino que dês um bom pai...e olha que por experiência acho que a maternidade/paternidade é uma tarefa homérica....

...lista? escolhe bem a mãe;) que as listas são só para...olha nem sei, está tanto calor, que estou a ficar atrofiada...
Maria Laura Pereira a 28 de Maio de 2009 às 14:16

Eu atrofio mesmo sem calor.
Avózinha a 28 de Maio de 2009 às 23:38

LINDOOOOOOOOOO!
Um homem assim, a transbordar ternura por todos os poros, merece ser pai, mãe, avó, tudo!!!!!!!!
Olha, põe-me na lista de espera para mãe dos teus filhos!
MARIA a 27 de Maio de 2009 às 17:11

Qual lista?
Avózinha a 27 de Maio de 2009 às 23:20

E hoje que é o dia supostamente dedicado a todas as crianças, fica aqui o desejo de que todas elas possam prolongar por muito tempo a sensação única daquele momento/milagre do nascimento. Utopia? Talvez, mas não deixa de ser um sonho bonito que todos nós adultos devíamos ter!
mc a 1 de Junho de 2009 às 23:31

pesquisar
 
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15
16

22
23

24
29



mais sobre mim
blogs SAPO