Avózinha (Sim, com acento...)

Abril 01 2009

Dava jeito ter uma veia de Artur Albarran para com alguma eloquência poder fazer aqui uma introdução dramatica (“...o drama, o horror...etc.) que pudesse espelhar o estado de choque em que me encontro após ter visionado um certo documentário que se intitula «the perfect vagina». Esta investigação retracta uma tendência que se está a verificar nas mulheres do Reino Unido para recorrer à cirugia estética e assim (segundo elas) embelezar o seu objecto preferido de chatagem...donde julgam ter surgido a expressão «...ficas a pão e água, ouviste!?».

 

Por incrível que vos possa parecer, o que me moveu para ver o dito documentário não foi a minha taradice crónica, mas sim ter lido algumas opiniões acerca dessa peça e também óbviamente a minha demanda em tentar ainda nesta vida compreender as mulheres. Confesso que de início fiquei ainda mais confuso mas depois alguma luz se fez e afinal elas são mais humanas do que parecem ser, e não digo isso só por que vi algumas sofrer de dor ou a chorar.

 

Mais uma vez fica demonstrado que elas ficam sempre a ganhar em relação a nós pois, corta daqui, tira um bocadinho dali, é coisa que não equaciono fazer para tornar o meu orgão mais bonito, aqui não se corta nada. Depois, a conclusão que tirei, é que, o que as move é não só a insatifação acerca do aspecto estético da sua vagina mas o querer que a dita seja igual à que viram numa revista ou noutro lado qualquer, e atenção, este anseio é transversal a todos os escalões etários, das mais novas às nem por isso.

 

Ora, já sabíamos que este tipo de inveja/cobiça da mulher por aquilo que a “vizinha” tem é bastante comum nelas, agora que se estenderia ao aspecto da crica e que estariam dispostas a sofrer tanto por isso, é de todo (para mim) inesperado. Quando digo sofrer, estou a ser brando, porque o que passam durante e o pós do corte e costura é de arrepiar, mas como lá diz o ditado «quem corre por gosto não cansa»,  digamos que durante algumas semanas correr não as cansa, mas doi para caraças...e sentar então...

 

Não acredito que a sua insegurança resulte apenas de alguns relatos que podemos observar nas entrevistas a homens que confessavam que o aspecto da dita poderia determinar se as escolheriam ou não como pareceiras, outros havia que diziam que não era por aí, mas elas eram convictas que tanto do lado feminino como masculino já tinham sofrido comentários (sobre a dita) jocosos ou pouco abonatórios e sido rejeitadas por isso mesmo.

 

Foi também abordada a questão da cirugia de “reconstrução da virgindade” (como gosto de lhe chamar) mas desta vez mais associado às comunidades islâmicas, autênticos dramas, eles “disparam” para tudo o que mexe e depois querem casar com virgens, tipo quem procura o primeiro emprego e só pedem gente com experiência. Na verdade esperava um pouco mais, ou seja, contava que mais conclusões fossem retiradas de matéria tão sensível, talvez no Reino Unido não conheçam expressões como «brinca mas não estragues», «depois de usar deixe como estava», «manusear com cuidado» ou «depois de lavadinho está como novo».

 

Inté

publicado por Avózinha às 00:21

Ora aí está uma globalização tramada. Cricas todas iguas, da mesma cor, com o mesmo feitio. Bem... estão a passar-me uns pensamentos muito hardcore que até estou com medo de partilhar... fico-me por esta: E se começam a operar a crica para ser diferentes de tudo???

beijo
perdida_nos a 1 de Abril de 2009 às 11:31

Explica lá isso...
Avózinha a 1 de Abril de 2009 às 19:44

Ora então, boa noite!!! :))))))))))
A ausência justifica-se com trabalho árduo...mas,nada que se compare ao embelezamento de uma "crica"! Isto sim,verdadeiro trabalho no sentido mais restrito do termo!...Gostaria de usar o termo "senaita" de quando em vez,se me é permitido,para que a crica não se sinta superior...até pq já sofre os trabalhos do embelezamento!
Façamos então uma comparação entre CRICAS e SENAITAS(a parente pobre)!
Bem...eu acho que a minha senaita é bonitinha e que serve muito bem para as funções a que se destina...Gostaria eu de ter uma crica??? N-Ã-O...
Uma crica pode ser um verdadeiro pesadelo:
não quer ficar despenteada, tem que usar cremes a toda a hora, usa perfume intimo e,pior que isso,de vez em quando tem que ser retocada! Ora,tendo em conta a dôr fenomenal que o corte e recorte provoca,a abstinencia sexual é imperativa! Ora,se não há sexo pra que serve a crica??? É uma perda de tempo...Eu fico com a minha senaita e espero dar-lhe uso apropriado...MUITO SEXO!!!!
Sou pelo movimento Senaita Acima e Crica Abaixo!
Agora...fui!
bacio e ciao!
Indiavera a 1 de Abril de 2009 às 23:03

Uma verdadeira luta de classes. Eu cá dou-me bem com toda a gente, parentes pobres, parentes ricos.
Avózinha a 1 de Abril de 2009 às 23:51

Confessa lá que o tu gostas mesmo é documentários sobre vaginas? Um abraço..ps - expus um podre teu no meu blog:-)..mas é só um..
Alcides a 1 de Abril de 2009 às 23:07

O que eu gosto mesmo é de vaginas...e de documentários também.
Já lá fui ver o "podre" e até deixei um comentário, isto se o autor do blog não censurar, aqui no Avózinha não há censura, os comentários não passam pelo lápis azul.
Avózinha a 1 de Abril de 2009 às 23:46

Um "podre" do Avózinha??? Tb quero saber,:))))))
Carissimo Alcides, dar-me-ia o seu endereço de Blog???
Os mais sinceros agradecimentos!
Indiavera a 2 de Abril de 2009 às 16:07

Olha só o que encontrei... he he
Para complementar o teu post

http://www.youtube.com/watch?v=KlaQfNfxqEA
perdida_nos a 7 de Abril de 2009 às 10:46

pesquisar
 
Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
17
18

19
24
25

27
30


mais sobre mim
blogs SAPO