Avózinha (Sim, com acento...)

Dezembro 29 2010

É tempo de fazer uma retrospectiva sobre o que se passou e se fez em 2010, desta forma proponho que os meus caros seguidores façam um pequeno exercício, dos fáceis, ou não tivesse eu o conseguido fazer. Nos canais de televisão é possível assistir aqueles resumos do que foi mais relevante durante o ano que agora está a finar, e o que vos pergunto é o seguinte...que destaque em comum faz parte de todos os balanços dos últimos anos!? Hein!?

 

Então? Já “adivinharam? Claro que sim, é o «Caso Casa Pia», imaginem bem que este lodaçal ainda não teve o seu epílogo e ao que se adivinha não será breve, como tal  podem contar com ele nas retrospectivas seguintes. Portanto, a lição a retirar disto será que, mais importante que uma boa reflexão sobre o que fizemos o melhor mesmo é irmos conseguindo resolver os nossos assuntos, de preferência atingindo objectivos, para não andarmos a arrastar as nossas vidas sempre sobre o mesmo. Digo eu...

 

É claro que há objectivos que não são fáceis de cumprir, uns dão mais luta que outros, alguns até podem não ser viáveis, é importante ter essa consciência sobre todos eles, saber quando se deve desistir ou simplesmente ser mais perseverante do que nunca. O «Caso Casa Pia» é um exemplo (mau) paradigmático pois supostamente deveria servir para fazer justiça mas este arrastamento durante anos acabou por anular esse objectivo principal, tudo o que agora advenha falhará o principal propósito...Justiça! Mas faça-se.

 

Façamos pois dos nossos sonhos e desejos, saudáveis lutas que manteremos até à vitória final, ou até que ainda façam sentido, de outra forma apenas estamos a desperdiçar a nossa preciosa energia.

 

Bem ou mal, o que está feito feito está, faça-se igual ou melhor para a próxima, o Ano Novo está aí a pedi-las e por isso há que tentar sacar dele o melhor que se puder e souber, os meus anseios são os de sempre, principalmente ser Feliz...é o mesmo que vos desejo...como diria o nosso Raul Solnado «Façam favor de serem felizes». Mas não se apoquentem já com o 2011, aproveitem o que resta deste para o afogar, de preferência em algo com álcool...não se ralem que a ressaca vem só para o ano.

 

Inté


Dezembro 24 2010

Ora ora ora, cá estamos para mais um Natal no virar de mais um ano, nesta altura a começar a entrar em plena curva e como tal com o novo ano quase à vista. Mas enquanto 2011 não chega é tempo de celebrarmos o nascimento de Jesus, aquele que se sacrificou para que nós nos andemos a matar uns aos outros faz pouco mais de 2000 anos, claro que durante este tempo outras coisas sucederam, mas foi esta que me apeteceu sublinhar.

 

2000 mil anos que se resumem a uma espécie de Karma que a humanidade carrega, ou seja, nós o crucificamos, nós viveremos a nossa cruz...se é para aprendermos ou simplesmente para castigo, pouco importa, ou importa tudo.

 

Efectivamente não estou no melhor dos meus humores e já devem ter dado por isso, mas o que hei-de fazer, não me chateassem tanto e agora chegaria a esta quadra com uma disposição bem melhor. Bem sei que talvez eu seja do contra, mas entre passar o Natal triste remoendo com algumas coisas que não gosto de ver nem sentir e passar o ano inteiro me esforçando para que tudo seja melhor, inclusive eu como pessoa, então prefiro ser diferente e chapinhar agora na tristeza.

 

Claro que nem tudo foi e é mau, tive e tenho coisas boas que me rodeiam, hoje véspera de Natal vou ter a minha família à consoada, neste momento são 4h da tarde mais coisa menos coisa e conto mais logo estar mais animado para pelo menos lhes poder oferecer boa disposição, nem que para isso tenha de pedir ajuda a Baco...tudo por uma boa causa pois claro.

 

Por agora é tudo, resta-me fazer o mais fácil que é desejar sinceramente a todos um BOM e FELIZ NATAL!

 

Inté

publicado por Avózinha às 16:04

Dezembro 22 2010

A conversa sobre o tempo já não é o que era, mas felizmente a tradição mantém-se:

 

Tuga1: Olá boa tarde, então como vai isso? (acompanhado de um sorriso esforçado e respectivo aceno com a cabeça)
Tuga2: Vai-se andando, e vocês (nalguns casos vomecês)? (a mímica dos ombros para cima mantém-se)
Tuga1: Vamos andando também...como o tempo! (na mosca, esta entrada resulta sempre)
Tuga2: É verdade, este tempo não ajuda nada.
Tuga1: Parece que é por causa do alerta amarelo...
Tuga2: Amanhã vai estar pior, com alerta laranja.
Tuga1: Não era lá só pro norte!?
Tuga2: Mas pode chegar aqui também!
Tuga1: Acho que se chegar cá, já não vem com tanta força. Foi o que disseram nas notícias.
Tuga2: Em que canal? Eu vi de manhã e estavam a avisar para as pessoas terem cuidado.
Tuga1: Uma pessoa até se assusta com isto tudo.
Tuga2: E é para assustar, diz que há possibilidades de ficar pior.
Tuga1: Pior que o alerta laranja? Será que chega cá?
Tuga2: Olhe não sei, o tempo agora anda assim...um descontrole.
Tuga1: Estas mudanças assim de repente só fazem é mal.
Tuga2: Só dá é cabo do organismo.
Tuga1: É a poluição é que faz isto!
Tuga2: Diz que na Europa já está tudo em alerta máximo.
Tuga1: Se vem para cá é que estamos arrumados!
Tuga2: Para melhor não vamos de certeza...
Tuga1: À isso de certeza que não, não esperem.
Tuga2: Bem, tenho de ir, despachar-me antes que piore.
Tuga1: Eu também, saúdinha!
Tuga2: Cumprimentos, saúde.
Tuga1: Igualmente, a gente vai-se vendo por aí!
Tuga2: Se o tempo deixar!

 

Inté

publicado por Avózinha às 08:33

Dezembro 20 2010

Se a menina quer urinar, é no urinol faxavor!
Calma, isto não é nenhuma revolta do sexo masculino ás pressões a que tem sido sujeito para urinar sentadinho e assim evitar os estilhaços de urina por todo lado, já para não falar da falta de pontaria ou do jacto rebeldemente indisciplinado (devo ter acabado de inventar esta expressão, se o fiz, reservo-me a mim próprio todos os direitos) que teima em fazer jus à física quântica e movimentar-se de forma inexplicável, trata-se sim de uma directiva que diz respeito às senhoras.

 

A universidade chinesa de Shanxi instalou urinóis femininos e com esta medida poupa 160 toneladas de água por dia, isto porque as descargas de autoclismo são imensamente gastadoras do liquido da vida, um bem precioso que deve ser usado com sabedoria, e não só pela poupança da tesouraria. Como é de esperar numa mudança destas “radical” as peregrinas do WC (vulgo sexo feminino) estão com dificuldades em adaptar-se, umas receiam pela higiene outras não se sentem à vontade, eu temo que o verdadeiro problema que elas estão a esconder será que esta nova pose não permite a libertação das mãos e do colo para estarem de volta das bolsas à procura de espelhinhos e afins.

 

Aqui o Avózinha andou a pesquisar umas coisas sobre este tema, o que, além de suscitar alguma apreensão por tal assunto ter despertado interesse, outras conclusões de terceiros foi possível constatar, grande parte, de regozijo, provavelmente dos machos que finalmente se sentem desforrados. Houve até quem achasse que esta inovação fosse implementada no seu expoente máximo, sem direito a cabine com os urinóis alinhados lado a lado tal como nos WC’s masculinos onde a malta faz a mija com a vizinhança a assistir.

 

Eu sou contra, se elas hoje em dia já são morosas, que o diga as filas enormes, imaginem se tiverem alguém ao lado para conversar...seria trágico. Não só estou a favor dos novos aparatos como vejo grandes benefícios, sendo o principal a poupança de água, o segundo o descongestionamento quase certo deste templo de peregrinação feminina, posso me enganar mas o novo posicionamento corporal não deixa grande margem de manobra para distracções, se bem que criatividade é coisa de que elas não carecem, até pode ser que não se lembrem de mais nada mas eu que não lhes vou dar ideias.

 

Na verdade eu defendo há muito tempo que todas as casas deviam ter pelo menos um urinol (vá-se lá saber porque não têm) faz todo o sentido, é mais dominador de salpicos, higiénico (como tudo o que se limpa) e acima de tudo ajuda a preservar/poupar um bem precioso que é de todos, a água...e agora com mais esta vantagem de servir também às meninas já não há desculpa para não generalizar o uso. Mulheres deste país, não sei o que vos diga, esta ideia conquistou-me, se estiverem com disposição vão à net e pesquisem por urinóis femininos, há com vários formatos, é só escolherem qual se adapta melhor à vossa...maneira.

 

(Fonte: sol.sapo.pt)

 

Inté

publicado por Avózinha às 23:25

Dezembro 16 2010

As mulheres são seres fantásticos, e quando acham que não...elas resolvem com uns implantes!

 

Inté

publicado por Avózinha às 00:20

Dezembro 14 2010

Tuga1: Lady Gaga contactou os seus ex-namorados para que estes parem de divulgar fotos e vídeos seus em que se apresenta nua.
Tuga2:  Se eu soubesse o contacto deles também lhes pedia.

 

Inté

publicado por Avózinha às 23:50

Dezembro 13 2010

A vida é como uma relação sexual e quando digo «como» pensem na comparação que quiserem, a verdade é que há pessoas que valorizam o sexo e outras nem por isso, assim como a vida. Mas o sexo como a vida são coisas que se querem com prazer para podermos desfrutar delas, e haverá sempre quem tenha mau sexo e se queixe ou esconda, e outras que se congratulam...não adianta arranjar desculpas, em ambas tudo não passa de uma parceria em que cada um deve dar o melhor que tem.

 

Quando digo «A vida é como uma relação sexual» não me refiro a um relacionamento com alguém em que podemos dizer “isto hoje não correu bem, estou um pouco cansado, amanhã será melhor” mas sim a apenas um único acto, sem segundas oportunidades, no entanto não vale a pena ficarmos nervosos com medo que seja um desastre, julgo eu, a melhor maneira é entregarmo-nos ás delícias do prazer, é certo que para isso é preciso estar comprometido, querer, desejar, e trabalhar em prol pois claro.

 

Imaginem pois o nascimento como se fosse a atracção, o desejo inicial, nascemos e a vida puxa-nos, chama-nos sem que nós saibamos explicar a vontade que nos impele de prosseguir, é algo supostamente irracional...instinto carnal. É verdade, só de seguida vem a sedução, fazer olhinhos, as poses para atrair, nada mais nada menos que o espaço temporal até chegar-mos à adolescência, até aqui foi tudo uma brincadeira e só não foi inocente porque se tratou de um meio para chegar a um fim...nem sempre consciente mas mais tarde ou mais cedo a inocência há-de ficar pelo caminho.

 

A inocência foi dar uma volta, os preliminares estão aí, a adolescência ao rubro do rubor, é tempo para soltar a energia, a energia que antes nos impelia a brincar infindávelmente agora faz os corpos aquecerem, tremerem, ansiarem pelo toque como desconhecíamos existir em nós.  Haverá sempre quem diga «nunca vivi a minha infância» ou «não me deixaram gozar a adolescência» e é um facto que o tempo não volta atrás, mas há que confiar, nada é perfeito, prosseguir de forma apaixonada, manter o romance, se o objectivo é o prazer é bom que se faça por isso, não é preciso complicar...já bastam as contrariedades.

 

Chegámos à fase adulta, vimo-nos, conhecemo-nos, estamos cheios de desejo e inevitavelmente os nossos corpos irão fundir-se, não vale a pena ter pressa, o melhor mesmo é sentir o momento (como sempre) e deixar fluir o desejo. Se tudo correr bem esta viagem prosseguirá o seu curso, continuaremos a explorar as possibilidade e a conhecer novos territórios, sem parar e definitivamente sem nunca andar para trás até à estação que cada um conseguiu e trabalhou para chegar...porque é preciso lembrar que não depende só de nós, mas também.

 

Toda a imensa energia descarregada dá lugar a uma sensação de libertação, por agora apenas queremos desfrutar de todas as sensações vividas num misto entre o gozo e o “agora não me ocorre mais nada” a não ser um sorriso espontâneo (e um cigarrito para quem fuma) chegamos a um momento em que mesmo que quiséssemos não teríamos energia para repetir tudo de novo...tudo para depois renascermos e encetar nova demanda. Se isto não é a prova de que existem outras vidas depois da morte, não sei o que será.

 

Inté

publicado por Avózinha às 08:15

pesquisar
 
Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
15
17
18

19
21
23
25

26
27
28
30
31


mais sobre mim
subscrever feeds
blogs SAPO