Avózinha (Sim, com acento...)

Novembro 25 2010

Tuga1: Nos últimos tempos a GNR tem apreendido várias plantações de Cannabis.
Tuga2: É verdade.
Tuga1: Aos poucos vão matando a agricultura do país.

 

Inté

publicado por Avózinha às 19:58

Novembro 24 2010

Se queres conhecer uma parte do que és feito, olha antes de puxares o autoclismo.


Inté

publicado por Avózinha às 08:30

Novembro 22 2010

Não sei se as pessoas ficam melhores depois de mortas, se calhar algumas sim, mas o Universo que as encaminhe na altura que entenda porque eu tenho mais com que me ocupar, na verdade é comum depois de alguém morrer ouvir-se dizer bem dessa pessoa...raras são excepções...não sei se se trata de hipocrisia acredito antes que talvez no caso de pessoas de quem não se gostava os que cá fiquem se abstenham de dizer mal, até porque depois de bater a bota já não adianta grande coisa perder tempo e conversa, assim, só se pronuncia quem tem algo de positivo para lembrar.

 

Robert Enke, ex-guarda-redes do Benfica (e de outros clubes por onde passou) resolveu fazer a diferença na vida e na morte, de forma dramática decidiu tirar a sua própria vida e privar a mulher e filha (adoptiva) do prazer da sua companhia. Segundo os que lhe eram mais chegados, há alguns anos que lutava contra uma depressão que lhe roubava o ânimo, principalmente por nunca ter conseguido ultrapassar a morte da filha e assim decidiu por termo a uma vida que em condições normais deveria se estender por muitos mais anos.

 

A cidade de Hannover quer dar a uma das suas ruas o nome de Robert Enke, pelo o homem que foi e por tudo o que fez pela cidade, assim ficará mais presente na memória de todos. Não sabemos se sem este desfecho trágico a homenagem algum dia se apresentaria, mas será que isso interessa (?), não, claro que não, ganhar-se-ia mais com o continuar da sua influência em vida é certo, mas não foi assim que sucedeu, enquanto cá esteve fez a diferença (parece ser unânime entre quem o conhecia).

 

Aprender a fazer com que todos dias contem é uma tarefa hercúlea para qualquer ser humano, assim como procurar em situações diversas do dia a dia fazer a diferença, pôr de lado as mesquinhices, em bom português «deixarmo-nos de merdas», não será tanto «dar a outra face» mas possivelmente «mostrar a outra face» para que as pessoas saibam que existe. É sem dúvida difícil, principalmente muitas das vezes não se colhe o que se semeou, mas sem semear talvez não haja esperança, definitivamente não.

 

Não conheci Robert Enke mas quem sou eu para julgar a vida de alguém (?) especialmente só por aquele minuto em que a escolha foi questionável, e sobretudo quando este em vida fez a diferença pela positiva. É injusto para quem ficou com a saudade. Não estou certo que haja algum egoísmo de qualquer das partes muito menos (se) em qual delas. Fico a pensar quando e como se decide que a obra está acabada, que está na altura de por um ponto final, Saramago dizia (mais ou menos isto) que o tempo que tinha pela frente era pouco para tanto que ainda havia para fazer, tinha que aproveitar, se calhar Robert Enke achou que a sua obra estava acabada. Ninguém tem de estar errado.

 

(Fonte: abola.pt)

 

Inté


Novembro 18 2010

O Karma mostra-me como sou imperfeito.

 

Inté

publicado por Avózinha às 23:25

Novembro 17 2010

Brad (o Pit) tem uma produtora de filmes, e através desta mostrou interesse em fazer um filme baseado na recente história verídica dos 33 mineiros que ficaram bloqueados nas profundezas da mina de San José no Chile. Já se sabe como funciona a industria da ficção, este tipo de situações desperta sempre o interesse para adaptar, entre cinema e televisão tem sido um corrupio, todos querem contar a história de como um grupo de seres humanos explorados por uma empresa que para a segurança dos trabalhadores considerava que bastava apenas usarem capacete.

 

Para um patrão ordinário como este, uma das formas de dar alguma dignidade ao enredo talvez seja através de um filme pornográfico, pelo que me dizem, porque eu nunca vi nenhum. Com isto não quero desanimar o Brad Pit (BP), acho que ele faz muito bem em avançar com os seus intentos, a arte é isto também, cada um mostra a sua perspectiva/visão dos acontecimentos, depois, ao público caberá escolher a trama que mais lhe agradar.

 

A industria pornográfica não perde tempo e o título já está escolhido «La mina se comió a los 33», na minha modesta opinião, melhor era impossível, fosse eu de ver este tipo de ficção e era espectador garantido. Mesmo com título tão bom, não resisto a deixar aqui algumas sugestões, mais que não seja para uma possível edição portuguesa...não se acanhem, podem dar também o vosso contributo. Ora então:

 

«Engoliu os 33»
«Gruta traiçoeira»
«Entalado a grande profundidade»
«Uma grande broca de salvação»
«Vais levar com a picareta até me cansar»
«Uma gruta funda como tudo»
«33 todos lá dentro»

 

Claro que na versão porno têm de participar gajas (para quem já estivesse preocupado e achasse que o filme ia ser a festa da mangueira) e o famoso realizador Leonardo Barrera (LB) já escolheu, a famosíssima Ana Karenina será (talvez) a enfermeira de serviço. LB já disse «a intenção não é mostrar uma tremenda orgia no ecrã» mas sim «fazer algo simpático» no fundo eu até o compreendo, considero até positiva a tentativa dele de oferecer uma obra com um tom menos dramático do que a história supõe.

 

Seja BP, LB ou outro a realizar/produzir esta história, o fim já toda a gente sabe como será, todos os personagens acabam aliviados.

 

(Fonte: sol.sapo.pt)

 

Inté


Novembro 15 2010

Lá diz o  ditado «Ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão» e o Avózinha acrescenta «Ladrão que assalta camião é bom que não seja parvalhão». Aconteceu no Brasil mas poderia ter sido numa qualquer outra parte do mundo, um indivíduo armou-se em ladrão e toca de roubar um camião, não fosse a polícia a atormenta-lo e até talvez tivesse tido sucesso nos seus intentos, mas quantos de nós já não nos queixámos de que quando tudo parece estar a correr bem aparece sempre algo/alguém que estraga tudo...bruxedo dizemos.

 

A incómoda polícia lá teve de perseguir o meliante durante horas até que o brazuca se decidiu a parar junto a uma barragem e jogar-se à água, espertinho, nada melhor para desencorajar os agentes, que prosseguir a fuga a nado num ambiente mais hostil, eu concordo, então se ele soubesse nadar era perfeito, mas no calor da fuga uma pessoa não se pode lembrar de tudo. Eu fiquei sem perceber se devido ao stress da fuga ele se esqueceu que não sabia nadar, ou de como se nada, mas uma delas deve ter sucedido.

 

À falta de aptidão do ladrão correspondeu a autoridade com competência, e em resposta aos pedidos de socorro do camionista acidental os agentes lá conseguiram salvar este Titanic do gamanço. Sinceramente, aqui entre nós, eu acho que ele só queria atenção, sentir que não estava abandonado...e talvez ser salvo, agarrado por uns homens fardados, e se tudo corre-se bem ainda lhe fariam respiração boca-boca, ou seja, não saber nadar e conduzir horas decidindo parar logo junto a uma barragem...não faz muito sentido além disso.

 

Proponho uma espécie de «Novas oportunidades» para estes indivíduos que têm poucas qualificações para a actividade profissional que desempenham, o nome até assentaria bem, apelativo para quem acha que não tem sido feliz na arte de pedir emprestado sem conhecimento do proprietário e acaba sempre por ser apanhado. Ou isso, ou o uso de tampões, segundo os anúncios aquilo dá para fazer tudo, andar a cavalo, bicicleta, nadar, etc. com esforço talvez dê para roubar camiões...não deve ser um requisito assim tão exigente.

 

(Fonte: tvi24.iol.pt)

 

Inté

publicado por Avózinha às 23:53

Novembro 11 2010

Tuga1: Nos últimos 10 anos a percentagem de cremações tem aumentado em detrimento do tradicional enterro.
Tuga2: Compreendo perfeitamente!
Tuga1: Porquê?
Tuga2: É para variar, já basta em vida estarem sempre a enterrarem-nos.

 

Inté

publicado por Avózinha às 23:47

Novembro 10 2010

Tuga1: Um americano tentou fugir à polícia num cortador de relva motorizado.
Tuga2: A sério!?
Tuga1: É verdade, a vizinhança ficou indignadíssima com os polícias.
Tuga2: Porquê?
Tuga1: Apanharam-no logo na primeira volta.

 

Inté

publicado por Avózinha às 23:00

Novembro 09 2010

Versão 1

 

Tuga1: Uns investigadores afirmam que os peixes foram os primeiros a ter relações sexuais por prazer.
Tuga2: E sempre na mesma água...

 

Versão 2

 

Tuga1: Uns investigadores afirmam que os peixes foram os primeiros a ter relações sexuais por prazer.
Tuga2: É como sempre disse o Quim Barreiros, o bacalhau-quer-alho!

 

Inté

publicado por Avózinha às 22:30

Novembro 08 2010

Tuga1: Na Mota-Engil, grande construtora, higiene e segurança no trabalho estão sempre em primeiro.
Tuga2: Ai sim!?
Tuga1: Sim sim, não dispensam o uso de luvas.

 

Inté

publicado por Avózinha às 23:45

Novembro 07 2010

Versão 1

 

Tuga1: Um dos mineiros chilenos ao sair teve a notícia de que a sua mulher estava grávida de 5 semanas.
Tuga2: Como assim, mais um milagre?
Tuga1: Segundo o médico, pode acontecer...um espermatozóide guerreiro!
Tuga2: Guerreiro ou traiçoeiro?
Tuga1: O espermatozóide ou o médico?

 

Versão 2

 

Tuga1: Um dos mineiros chilenos ao sair teve a notícia de que a sua mulher estava grávida de 5 semanas.
Tuga2: Como assim, mais um milagre?
Tuga1: Segundo o médico, pode acontecer...um espermatozóide guerreiro!
Tuga2: Um gajo sai de um buraco e cai noutro...

 

Inté

publicado por Avózinha às 22:31

Novembro 05 2010

A política funciona como o ilusionismo, há sempre uma mão que procura distrair a malta enquanto a outra faz o serviço, tudo à nossa frente e nós não vemos nada.

 

Inté

publicado por Avózinha às 20:37

Novembro 04 2010

Um reality show é uma encenação, um filme com actores a fingir, e baratinhos.

 

Inté

publicado por Avózinha às 22:06

Novembro 03 2010

O ser humano pode ser muito parecido com a mosca, não só pelos poisos que por vezes escolhe mas também por achar que se voar insistentemente contra o vidro que acabará por o atravessar.

 

Inté

publicado por Avózinha às 20:19

Novembro 02 2010

A ignorância não é o desconhecido, é ignorar o que não se conhece.

 

Inté

publicado por Avózinha às 18:58

Novembro 01 2010

Faz algum tempo que carrego comigo uma mágoa, mais precisamente desde dia 13 de Outubro, e como não podia deixar de ser vou partilhar convosco. Algum de vós me pode responder que dia importantíssimo se “comemora” nesse preciso dia (?), claro que não estou a falar das celebrações religiosas em Fátima, mas sim do dia em que o Avózinha fez a primeira aparição a vós, meus queridos pastorinhos, embora menos numerosos que os devotos a Nossa Senhora de Fátima...mas por poucos calculo eu.

 

Enfim, fiquei triste por ninguém se ter lembrado de assinalar essa data, tenho até passado as noites de cama para conseguir ultrapassar tanta tristeza. Fez pois 2 anos que o Avózinha se predispôs a passar das palavras ditas ás palavras escritas, nem sempre bem escritas...mas sentidas.

 

Pelos meu cálculos mais 2 anos bastarão para me poder reformar, com o dinheiro que já ganhei com este espaço poderei viver dos rendimentos, afinal, o único motivo pelo qual me meti nisto. De tudo um pouco, entre o muito e o muito pouco, de tudo se escreveu aqui, ou não fosse este vosso amigo um verdadeiro português, que tem a mania que sabe dar opinião sobre tudo e mais outro tanto.

 

Para castigo pensei em presentear-vos com a semana da poesia, onde a cada dia punir-vos-ia com odes do tipo que por já cá passaram, mas também achei que seria de mais, não é caso para tanto, assim, será a semana do pensamento. Sim, porque como dizia a minha mãe «escusas de me estar a engraxar porque do castigo não te livras!», logo eu, que nunca fui de fazer asneiras.

 

É irem espreitando todos os dias.

 

Inté

publicado por Avózinha às 18:58

pesquisar
 
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12
13

14
16
19
20

21
23
26
27

28
29
30


mais sobre mim
subscrever feeds
blogs SAPO